Publicado por: lobusdaestepe | janeiro 26, 2011

PORTUGAL DE CARRO – Évora

Roteiro Portugal de Carro

1 º DIA – LISBOA (31/05/2010)

2 º, 3º e 4º DIAS – LISBOA (1 , 2 e 03/06/2010)
Lisboa:- Hotel D. Henrique IV,quarto pequenos, café da manhã razoável, ótima localização.

Passeamos por Lisboa e Belém.

Andamos de metrô, ônibus(autocarro), bonde  e bus city sightseeing

Lisboa nos surpreendeu. Subimos e  descemos  colinas, circulamos entre os bairros históricos, monumentos, museus,  cafés, miradouros, tendo o rio Tejo por companhia.

Comemos bacalhau, sardinhas assadas, doces maravilhosos e vinhos deliciosos, tudo isto por um preço excelente.(Ver post anteriores)

5º DIA – (4/6) LISBOA /Sesimbra /Setubal/ EVORA


Café da manhã no hotel.  Fomos até a Hertz, perto do Hotel e pegamos o carro que já havíamos alugado aqui no Brasil.

Um Clio, com direção, ar , bem macio e confortável.

Iniciamos a nossa viagem atravessando o estuário do rio Tejo e descobrindo a paisagem deslumbrante de Lisboa a partir da ponte 25 de abril

Optamos ir pelas estradas regionais, que não tem pedágio  e são muito mais bonitas, passando por Sesimbra, Setubal e Évora.

Na estrada encontramos vários ninhos de cegonhas:)

Passamos por Sesimbra , uma pequena cidade a beira mar, um lugar bem difícil para guiar, com ruas estreitas e trânsito caótico.

Íamos visitar  o Castelo de Sesimbra, mas desistimos  por não haver local para estacionar e prosseguimos a viagem até  Setubal.

Setúbal,  já possui  ruas mais largas, bons restaurantes, típica cidade  de pescadores e porto de pesca,zona de passagem para o Parque Natural da Arrábida.

Cidade limpa, florida,  com fantásticas vistas de mar e serra .

Em Setúbal, os pratos típicos são peixes frescos na brasa, caldeiradas de peixe ou de marisco, Chocos fritos, Sardinhas frita com tomate, Caracóis (na época), Queijos e Tortas de Azeitão

E os  melhores vinhos da região  são:-Periquita – Terras do Sado Branco; Adega de Pegões – Terras do Sado Colheita Seleccionada Branco; Romeira – Palmela Tinto; Pasmados Terras do Sado Tinto; Quinta da Bacalhoa – terras do Sado Cabernet Tinto; Leo d´Honor – Palmela Grande Escolha Tinto; Jose Maria da Fonseca – Moscatel Setúbal.

Seguimos nosso caminho até Evora, estrada tranquila, mas faltava sinalização e sempre que há um trevo o GPS pirava….

Há um sítio arqueológico, onde pode  visitar os megálitos, na estrada entre Évora e Montemor-o-Novo.

São pedras esculpidas, de 2 mil a 4 mil anos de idade, tipo os menires do Obelix.

Como havia lido que não era tão interessante assim para desviarmos  o caminho, decidimos  seguir  para Évora e quem sabe na volta ir até lá. (não fomos, andamos uns 15 minutos pelo desvio e  como não chegava a lugar nenhum e o GPS desapareceu, resolvemos voltar).

Évora – considerada Patrimônio da Humanidade, tendo sido habitada deste tempos pré-históricos.

Os romanos chamavam-lhe Ebora Liberalitas Iulia, depois do seu declínio foi ocupada pelos povos bárbaros cristianizados, mais tarde pelos mouros e finalmente foi-lhes conquistada pelos cristãos em 1165.

Fomos direto para a cidade velha, onde ficava nosso hotel, já reservado pelo HostelBookers- Residencial Os Manuéis.

Como a cidade é todo murada, com ruas estreitas, há poucos lugares para estacionar, sendo assim o estacionamento da maioria dos hotéis e pousadas, fica fora dos muros, não muito longe, se a cidade fosse plana….

Como o hotel já estava reservado, resolvemos ficar  por ali mesmo e deixamos o carro quase em frente ao Residencial, em uma vaga de um morador, com a promessa que tiraríamos o carro logo pela manhâ, assim que o comércio abrisse.

os Manuéis

Os Manuéis- Rua do Raimundo, 35- fica em um prédio histórico , no centro e alto  (leia-se, sem elevador e com uma escadaria enorme ), mas a simpatia do proprietário compensou o desconforto.

Ele nos deu várias dicas da cidade e nos indicou um restaurante excelente, frequentado pelo pessoal da cidade.( O mais famoso é o Fialho, mas com preços altos, O Dom Joaquim é de um antigo empregado do Fialho)

Como era meu aniversário, aceitamos a sugestão.

Comida excelente,  de entrada um quejo de azeitão com torradas  e depois  porco preto alentejano com fritas arroz e  vinho

Covento  Tomina

O porco preto assim é conhecido porque  a sua pele e unhas são negras, daí o Porco Preto é também conhecido como “Pata Negra”.

O Porco Preto Alentejano é único dentro da sua espécie e tem como seu habitat natural o Montado Alentejano.

Este animal é bem diferente dos seus “irmãos” e  é muito apreciado  pois ele tem o poder de armazenar na sua massa muscular, grandes depósitos de lípidos, provenientes dos finíssimos óleos das bolotas  que eles se alimentam, ficando o seu presunto com uma cor marmoreada e de nervuras brancas.

Neste caso, as gorduras insaturadas que as bolotas contém, contribuem para que 75% dos lípidos destes animais sejam também insaturados, pelo que são favoráveis ao sistema circulatório. A sua cor, brilho, aroma e sabor requintado resultam assim, numa qualidade incomparável.

Eles vivem em  liberdade controlada: os Porcos Pretos, vão em busca de comida (restolho de cereais e cereais) e água que têm de procurar, obrigando-os exercitarem-se fisicamente.

Resultado: Carne extremamente macia e saudável.

E por este jantar no Restaurante Dom Joaquim em Évora,  pagamos  46,80 euros, no Fialho ficaria no mínimo  o dobro.

Já havíamos andado pela cidade,  e achamos encantadora ,com vitrines arrumadas,  lojas movimentadas e um lindo chafariz mourisco na praça central.

Nada é novo em Évora, mas tudo é novo.

Ela está viva, as pessoas trabalham, os monumentos históricos estão impecáveis e as ruas com nome como Beco do Homem Não Barbeado e rua do Alfaiate da Condessa continuam movimentadas.

A cidade é muitíssimo bem guarnecida por grossas muralhas, com os portões sempre abertos.

De longe você já pode ver, encravado lá no alto, o fabuloso Templo de Diana.

De dia, o sol atravessa as colunas da ruína romana, lançando sombras multiformes.

À noite, o monumento ganha iluminação especial e algo de mistério.

É à noite, sem a multidão que a visita durante o dia, que a cidade se revela.

Andando pela Rua Cinco de Outubro, Praça do Giraldo(ponto de Encontro), passando pela Catedral, admirando o casario medieval, chegamos no alto, no  Templo Romano.

O templo de Diana é do início do século I.D.C em estilo coríntio.

Foi um final de noite de aniversário inesquecível.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: